Exposição Luciano Carneiro : O Olho e o mundo

Inaugurada no ano de 1928, por Assis Chateaubriand, à Revista semanal O Cruzeiro, foi um veículo de comunicação que perpassava ideais de sua época. Nem sempre à revista teve um design arrojado como nos seus anos dourados, sua identidade visual se viu renovada com à entrada do fotógrafo francês Jean Manzon nos anos 40, o novo modelo gráfico claramente se inspirou na revista americana Life. Também sendo datada desde período, o momento que à revista passou a tratar as reportagens capturando imagens fotográficas, sendo uma das primeiras à implantar à ideia de fotojornalismo no país. Outra grande inovação fotográfica espelhada na Life e trazida pela revista, foi o conceito de imagem sangrada, o que não era normal para à época no Brasil.  A revista tinha um foco em questões ligadas a vida e cotidiano, mas conseguia muito bem ultrapassar essa linha mais clean, e trabalhar questões de cunho social e político, apesar de algumas vezes ter chegado a produzir matérias tendenciosas.

Imagem relacionada

O contexto histórico que O Cruzeiro enfrentou durante toda sua trajetória, vai desde grandes guerras mundiais, onde à influência de Chateaubriand possibilitou grandes oportunidades para super reportagens internacionais, até mesmo à cobertura de acontecimentos marcantes da história nacional, como à ditadura do Governo Vargas, onde à revista possuiu uma relação de amor e ódio com o presidente. E para integrar à equipe, somente profissionais qualificados eram contemplados, e um dos grandes nomes de destaque dentro do Cruzeiro foi Luciano Carneiro, um jornalista e também fotógrafo cearense.

WhatsApp Image 2018-03-10 at 13.21.23

Reportagem do Cruzeiro no dia de posse de Fidel Castro em Cuba. ( Imagem retirada por Januele Cavalcante, de sua exposição “Luciano Carneiro: O olho e o mundo” no Dragão do Mar de Fortaleza)

Luciano Carneiro tinha todo um carinho e favoritismo do proprietário da revista, Chatô. E todo essa aproximação com o chefe, o possibilitou grandes reportagens, em todo o mundo, além de que devido à vastas parcerias do proprietário dos Diários Associados, ele conseguiu entrevistar grandes líderes políticos da época, como: Fidel Castro em Cuba logo após assumir o poder no país. Luciano ainda cobriu à Guerra das Coréias, esteve presente em campos de batalhas no período da Segunda Grande Guerra, ou seja, o fotojornalista era um profissional que sempre estava cobrindo grandes acontecimentos políticos,  tentando trazer também uma preocupação no âmbito social, e isto é observado em suas fotos até hoje. Aquela preocupação em mostrar imagens que falassem por si mesma, e o texto jornalístico apenas estivesse como um complemento da obra.

Resultado de imagem para Luciano Carneiro
Assis Chateaubriand dando entrevista para um grupo de repórteres.                      (Imagem retirada da internet)

 

Luciano foi um grande profissional de sua época, largou o Direito para enriquecer o jornalismo brasileiro, com um precioso acervo de reportagens e principalmente de imagens com um olhar humanista. Sua primeira reportagem à Revista O Cruzeiro foi em Maio de 1946, e 3 anos depois passaria à integrar oficialmente o departamento de fotografia. Poucos anos mais tarde, em 1951, ele torna-se correspondente internacional do Cruzeiro. Mas infelizmente o jornalista possuiu uma carreira rápida, integrando por apenas 13 anos a revista,  falecendo no ano de 1959, aos 33 anos, em um desastre aéreo.

Imagem relacionada
Imagem de Luciano cobrindo a Copa da Suécia.                    (Imagem retirada da internet)

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s